Mais que uma festa, uma tradição

A época junina é uma data que nós particularmente amamos, além da alegria e da festença que ela nosproporciona, ela nos ensina sobre nossa cultura e a tradição de diversos países. Existem também uma série de curiosid

ades que foram agregadas à festa junina que aos poucos foram se tornando a festa que conhecemos hoje. ‘Óia’ só:

De origem europeia, a Festa Junina foi uma herança trazida de nossos colonizadores portugueses e devotos dos santos católicos. Ela acontece em junho por homenagear os três principais santos do mês: São João, São Pedro e Santo Antônio.

Na época da colonização havia uma grande influência de elementos culturais dos portugueses, mas não só deles, como também dos chineses, espanhóis e franceses. Dos chineses vieram os fogos de artifícios e os balões, que mais tarde foram proibidos de serem soltos no Brasil. De Portugal e da Espanha vieram as danças de fitas e da França vieram as danças marcadas, característica da nobreza francesa. Depois foi adicionado um pouquinho de arrasta pé e se tornou a dança de quadrilha brasileira.

Embora seja comemorada no Brasil inteiro, ela tem uma comemoração de grande expressão no Nordeste do Brasil. Pois devido as secas que acontecem, os nordestinos fortalecem as festas pedindo e agradecendo aos santos as chuvas raras e a colheita na região. Com o passar do tempo os nordestinos incrementaram ainda mais as festa juninas com elementos culturais típicos da região como o forró, o baião e o xote.

Mas não foi só os nordestinos que criaram moda, os ‘sudestinos’ também colocaram várias coisa boas. No Sudeste do Brasil existem as tradicionais quermesses, que são festas realizadas pelas igrejas cató, sindicatos, colégios e empresas, que contém brincadeiras, show de sertanejos e quadrilha coletiva. No dia 13 de junho também, as igrejas costumam distribuir o “pãozinho de Santo Antônio”, famoso por trazer benção no amor, graças ao Santo Antônio, o Santo Casamenteiro.

Agora a parte boa

Depois de falar um pouquinho dos costumes, vamos falar agora das comidas. Como em muitas regiões junho é a época da colheita de milho, praticamente metade de festa tem quitutes com esse alimento. Tem pamonha, cural, bolo de milho, pipoca, canjica, cuscuz, milho cozido e suco de milho. Mas pra quem não gosta de milho, também tem outras guloseimas como paçoca, arroz doce, bolo de amendoim, quentão, chá de amendoim, batata doce, cocada, broa de fubá, bolo de mandioca, bom bocado, pinhão, pé de moleque, doce de batata doce, doce de abóbora e muitos outros.

A festa é europeia mas o brasileiro arranjou um jeitinho de deixar com a sua cara. Agora sim ficou bom demais!