A promessa se cumpriu (Lc 2,1-14)

O Messias, há tanto tempo prometido ao povo de Israel, chegou da forma mais surpreendente. Ele não veio como um guerreiro investido de poder, mas se fez presente na fragilidade de um recém-nascido. Ninguém esperava que o Salvador viesse dessa maneira.

Os elementos sublinhados nas narrativas do nascimento do Messias têm forte sentido teológico, por exemplo, a cidade de Belém, a manjedoura e os pastores. E devem ser lidos à luz da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

Nesse marco é compreensível que o evangelista Lucas, na sua narrativa do nascimento de Jesus, cite várias vezes Belém. Pois Belém era a cidade de Davi, o povo judeu esperara, entre tantas provações, a vinda de um novo Messias, descendente de Davi. O nascimento do Salvador se desencadeia justo aí, na periferia, no ambiente dos pobres, pleno das esperanças do AT (cf. Lc 1-2).

Não é por acaso que o Papa Francisco tem insistido muito para que saiamos às periferias territoriais e existenciais. Isso não significa que Deus limite sua ação, mas ele tem especial preferência com os que mais sofrem sob o jugo da opressão e vem em seu auxílio. Mas Deus também conta conosco.

Outro dado interessante é que não havia lugar para José e Maria nas hospedarias, sendo que Maria, em seu estado avançado de gravidez, deveria ter sido acolhida em alguma casa. O fato de o evangelista sublinhar que não tinham lugar para eles pode estar entrevendo já a sombra da cruz. Logo, a imagem da manjedoura vem reforçar a acolhida ou rejeição que Jesus teria por parte das pessoas.

Em um mundo onde se busca todo tipo de honras, fama e domínio de outros seres humanos e da natureza, é quase inaceitável pensar em Deus despido do poder. Por isso se torna compreensível que nem todos acolham o Messias, Menino, nascido pobre. Pois vê-lo deitado numa manjedoura necessariamente contradiz as nossas expectativas de poder, fama e domínio. Diante desse Messias, é preciso muita humildade e sinceridade para contemplar sua presença misteriosa e salvadora.

O Anjo disse aos pastores: “Não tenhais medo! Eu vos anuncio uma grande alegria que o será para todo o povo. Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um Salvador, que é o Cristo Senhor” (Lc 2,10-11). Os pastores ficaram maravilhados, surpresos e até assombrados. As palavras do Anjo os comovem profundamente, pois ele lhes anuncia a Boa Notícia, da tão esperada chegada do Messias Salvador. Como os pastores, abramos nosso coração à Boa Notícia e deixemos que Deus, na pessoa de seu Filho Jesus, sacie nossos anseios mais profundos e nos humanize!

Irmã Juana Ortega, SSpS, é teóloga especializada em Bíblia. Nasceu no México, trabalhou em Moçambique e, atualmente, além de animadora vocacional, acompanha as jovens aspirantes na Comunidade Madre Josefa, em Belo Horizonte-MG.