Juventude e a busca de sentido

Ser jovem hoje é ver um mundo de desafios à sua frente e enfrentá-los sem ter medo das consequências. Ser jovem é viver a vida como se cada dia fosse o último, é correr de casa para não precisar mais dos cuidados dos pais, mas, no fim, pedir um abrigo. Ser jovem é querer ser livre, mas não se desprender das pessoas. Ser jovem é dizer não entender o amor e, mesmo assim, amar a todos.

Ser jovem é sofrer um constante vaivém de um mundo cheio de incertezas. É ter um desafio diário que vai além de fazer escolhas certas ou erradas. Jovem não é aquele que tem menos de 18 anos; jovem é aquele que, independentemente das dificuldades, busca sempre evoluir e alcançar a maturidade, mas sem perder o prazer de viver.

Ser jovem é querer estar com todo o mundo quando está sozinho, mas querer ficar sozinho quando está com todo o mundo. Ser jovem é encarar as ruas e corredores como se fossem passarelas. Ser jovem é querer ter todo o mundo a seus pés só para se sentir especial. É confundir os efes de fama e facilidade com o efe de felicidade. É amar e querer ser amado, só pra contrariar.

Os jovens são aqueles que entram de cabeça nas embarcações e ficam à deriva deste mundo muito louco. Ser jovem é estar em terra firme, mas sempre se sentir em uma areia movediça. Os jovens são aquelas pessoas que vivem buscando o sentido da vida para, aí sim, descobrirem o que querem. A juventude se separa quando diz respeito a opiniões, vontades e pensamentos, mas se une num só objetivo: ser feliz.

Os jovens são aqueles que, quando criam asas para voar, esquecem a portinha do coração aberta e, a partir daí, cometem os maiores erros e acertos que podemos cometer. E, pelo fato de deixar o coração vulnerável, os jovens encontram as pessoas que mudam suas vidas e, finalmente, descobrem que o sentido da vida se resume a uma palavra: amor. E, quando ele descobre o amor, ele se sente realizado e, finalmente, alcança a maturidade, e deixa de ser apenas um jovem.

Ser jovem é lutar pela independência, é sujar o uniforme, mas jogar limpo. É se ver como uma pessoa, mas ser visto como um objeto. É ser uma página em branco que será preenchida por histórias e lembranças, e ter o desafio de saber a hora certa de se colocar uma vírgula ou um ponto final. Ser jovem, hoje em dia, é olhar no espelho mais limpo do mundo e não conseguir se enxergar. É sofrer crises existenciais, é ter medo de estar sozinho, é olhar para aquela pessoa de seu lado e, mesmo que ela não seja a pessoa certa, sentir-se seguro. É saber que seus amigos e sua família são seus verdadeiros portos seguros e que, onde quer que esteja, terá um lugar para onde voltar, do qual talvez não devesse nem ter saído.

Vinicius Miranda Perdigão Bello
Estudante do ensino médio do Colégio Sagrado Coração de Jesus, Belo Horizonte-MG