Como vai a temperatura de sua ansiedade?

Nestes tempos de reclusão forçada, é comum aparecer a ansiedade como fator que nos desestabiliza emocionalmente. Ela é resultado do medo, da ameaça que o novo coronavírus espalha. A ansiedade é um sentimento frequente em nossa vida. Ela pode emergir em nosso psicológico e repercutir sobre o nosso físico, tornar-se geradora de insegurança e de certo mal-estar. É um sentimento de alerta, podendo chegar ao ponto de nos paralisar. Ela, contudo, pode ter um caráter positivo enquanto dá energia e ajuda a enfrentar problemas.

Pode ser negativa quando seu nível ultrapassar nossa capacidade de autocontrole, criando fantasmas assustadores. Quando atinge nosso físico, pode provocar tremedeiras, taquicardias, dor de barriga, dores várias pelo corpo; repercute em nosso comportamento, com manifestações em forma de nervosismo, agitação e ritualismos repetitivos. Pode comprometer o apetite ou fazendo comer demais ou não ter vontade nenhuma de comer. Pode perturbar o sono, trazendo a insônia; nosso humor pode ficar afetado por descontroles emocionais e nos fazer surtar.

A ansiedade pode ser normal ou neurótica. Normal é aquela que a suportamos diante das situações ameaçadoras, sem perder o autocontrole. Torna-se neurótica quando rompe os limites e gera fobias ou nos deixa num estado de insegurança que parece nos destruir. O inimigo se torna maior do que é na verdade. Tendemos a exagerar.

A ansiedade, que se torna neurótica, em geral, é despertada por um “inimigo” invisível que se esconde dentro de nós. Não conseguimos identificá-lo nem fugir dele porque, aonde vamos, ele vai junto. Esse tipo é frequentemente de origem inconsciente, ligado a experiências já vividas no passado. Aquilo que, na Psicologia, chama-se “memórias afetivas”. Isto é, uma experiência emocional que tenha sido intensa, traumatizante, ou menos intensa, porém prolongada por muito tempo, como falta de afeto, tais experiências deixam dentro de nós seus resíduos emocionais que poderão ser revividos diante de ocorrências semelhantes. Podemos esquecer os fatos, mas não as emoções vividas em relação a eles. A ansiedade decorrente disso pode aparecer em momentos de fragilidade emocional. Situações parecidas já vividas facilitam vir à tona com mais facilidade, associando-se umas e outros, manifestando-se num estado emocional de ansiedade aguda.

Deixando esse assunto que mereceria mais considerações, vamos ver algumas maneiras para lidar com a ansiedade, seja ela de origem atual ou antiga. Cinco passos que podem ajudar:

1º – Tomar consciência, reconhecer e admitir quando nos sentimos ansiosos. Negar será pior.

2º – Identificar o que a está provocando, isto é, olhar para a realidade que está nos cercando neste momento. Por exemplo, coronavírus, gerador de ameaça. Ele pode despertar a ansiedade por mexer com nossa segurança. Medo de contraí-lo ou que alguém da família contraia.

3º – Verificar se há raízes mais profundas. Fatos já vividos no passado que se associem com a situação atual. Por exemplo, alguém que já passou pela experiência de doença com consequências dolorosas. O medo de revivê-las pode despertar a ansiedade.

4º – Não cair em sua arapuca. Isto é, não se deixar dominar por ela, sendo objetivo e realista, que significa ter consciência clara do que está acontecendo e assumir posturas realistas. Exemplo, em relação ao vírus, ter consciência de que essa pandemia exige cuidados diferentes daqueles que estávamos habituados. Ter precauções adequadas. Sabendo que, mesmo no caso de contrair o vírus, há recursos disponíveis que vão ajudar a superá-lo. Ele não é sentença de morte!

5º – Canalizar suas energias para alguma atividade na qual possa descarregar sua tensão: por exemplo, exercícios físicos. Sendo criativos, inventando algo, usando o tempo com coisas úteis e agradáveis, compartilhando a experiência com outros.

Nesses dias, recebi um áudio em que uma mãe dizia: “Surtei, não aguento mais esta situação!”. Ela falava das crianças irrequietas dentro de casa, cada momento com uma solicitação. E ela, mãe, sentia-se esgotada por não saber lidar com a situação. Implorava para que as crianças voltassem às aulas logo. Essa reação diante da ansiedade, ao invés de diminuí-la, a aumenta, porque a pessoa se põe na condição de perdedora. Vale aqui a primeira recomendação: reconhecer e admitir, e seguir os outros passos.

Manter-se consciente de que isso tudo vai passar, não vai ocupar todos os dias de nossa vida. O tempo de isolamento é também oportunidades de novos aprendizados.

Que a ansiedade não supere sua capacidade de contrarreação, subordinando-a a seu controle. Meça qual é a “temperatura” de sua ansiedade neste momento. Coloque freio nela. Compartilhe sua experiência com outros. Estamos no mesmo barco, e ele não vai afundar porque o mar está agitado. Estamos ansiosos juntos! Paz e bem!

Pe. Deolino Pedro Baldissera, SDS
Padre salvatoriano há 43 anos, professor e psicólogo pela Universidade Gregoriana de Roma, com mestrado em Psicologia e doutorado em Ciências da Religião. Atualmente é pároco em Videira-SC.