Escolas SSpS Brasil estendem sua solidariedade ao Rio Grande do Sul

As chuvas intensas que se concentraram sobre o Rio Grande do Sul, entre o fim de abril e meados de maio deste ano, causaram alagamentos em várias cidades gaúchas, forçando milhares de pessoas a saírem de suas casas. Ao mesmo tempo, essa tragédia climática logo despertou a solidariedade em todo o País, de forma especial entre as escolas SSpS Brasil, convertendo-se em diferentes campanhas para arrecadação de donativos.

Na Região Metropolitana de Porto Alegre, bairros inteiros ainda estavam submersos quando as primeiras doações começaram a chegar. Por exemplo, em Canoas, oito bairros ficaram inundados devido à elevação dos rios, fazendo com que 180 mil pessoas deixassem suas casas às pressas. No Centro Educacional Madre Josefa, no bairro Fátima, o nível da água chegou a 1,70 metro no andar térreo. Diante de rodovias bloqueadas por inundações ou estradas interrompidas, na época, foi necessário utilizar rotas alternativas e abrir caminhos humanitários para superar o volume das águas, aumentando o tempo de percurso do transporte de donativos até os locais de distribuição.

O destino de uma parte dessas doações foi o Colégio Espírito Santo, em Canoas, que chegou a abrigar 192 pessoas entre os dias 4 e 18 de maio. Carros, caminhões, carretas e ônibus chegaram à escola levando garrafas de água, alimentos, colchões, cobertores, roupas, calçados, material de limpeza, produtos de higiene e ração para animais, entre outros itens. Essa solidariedade em abundância, que segue sendo enviada em julho, tem ajudado as famílias gaúchas a superarem os estragos causados em maio, incentivando recomeços e reconstruções.

Colégios enviam doações

Alguns dos veículos com doações partiram do Colégio Stella Matutina, de Juiz de Fora-MG, onde todos os estudantes e colaboradores estiveram envolvidos. “Foi muito bacana ver toda a comunidade escolar envolvida nesta ação. Durante semanas, os alunos trouxeram água e roupas, além de redigir cartas de afeto e carinho para as vítimas das enchentes. As famílias também ajudaram muito! Todo santo dia, mais e mais garrafas de água eram trazidas para a escola, mostrando que somos um só povo, e um povo solidário e unido”, relembra Ighor Prado, analista de comunicação do Stella Matutina. “Não posso esquecer-me de enaltecer a força que os colaboradores da manutenção da escola fizeram, transportando, com a maior boa vontade, centenas de litros de água para os locais de distribuição”, complementa.

Em São Paulo-SP, a mobilização feita para ajudar o Rio Grande do Sul também teve um impacto enorme na comunidade escolar do Colégio Espírito Santo, que se sensibilizou com a situação do povo gaúcho. “Os itens de vestimenta, produtos de higiene e mantimentos chegavam sem parar, e conseguimos encher um caminhão de porte médio com nossas arrecadações”, conta Natália Moura Leonardo, professora e coordenadora da Dimensão Missionária do CES-SP.

No Rio de Janeiro-RJ, o Colégio Imaculado Coração de Maria (CICM) envolveu a comunidade educativa em uma rede de solidariedade e apoio às famílias gaúchas acometidas pelas enchentes. “A sensibilidade social foi vista e vivenciada em uma corrente humana de engajamento na participação nessa ação social. A família CICM valorizou o fato de o espaço escolar se tornar um polo de arrecadação, demonstrando não estar alheia à urgente necessidade da sociedade. A mobilização envolveu a todos e até hoje ainda paira em nossa comunidade escolar”, relata Rosa Lúci de Carvalho.

Em Ponta Grossa-PR, o engajamento do Colégio Sant’Ana e da Faculdade Sant’Ana também se mostrou presente, superando expectativas em diferentes formas de solidariedade. “Cada gesto fez a diferença. Todos queriam ajudar da melhor maneira possível. A campanha realizada com as doações de roupas, calçados e outros materiais continuou ecoando em nossos corações e suscitou o desejo de continuar essa ação solidária que culminou com um concerto beneficente, no dia 29 de junho, pela Banda Marcial da escola”, afirma Ir. Marli Conceição Dias, vice-diretora do Colégio Sant’Ana.

Outra frente de doações surgiu com a campanha “Compaixão pelo Rio Grande do Sul”, promovida pelas irmãs missionárias servas do Espírito Santo. A iniciativa possibilitou que pessoas e instituições, de todo o Brasil, contribuíssem em dinheiro, por meio do Pix Redes (Rede de Solidariedade). O valor arrecadado permitiu a compra de fogões e outros materiais necessários para recompor os lares de colaboradores do Colégio Espírito Santo e do Centro Educacional Madre Josefa. “Toda essa ajuda foi uma bênção para quem perdeu tudo. Quando a água baixou, as pessoas tiveram de descartar tudo o que ficou coberto e contaminado pela lama dentro de suas casas”, destaca Ir. Maria Sônia Muller, diretora do CES-RS. Ela agradece a todas as escolas SSpS Brasil que enviaram doações, entre eles o Colégio Santos Anjos (Porto União-SC). “O Colégio Santa Maria, de Cascavel-PR, também mostrou sua solidariedade presenteando 50 famílias com conjuntos de pratos, xícaras, talheres e copos”, menciona.

 

Sentimentos de quem ajudou

“Os sentimentos são os melhores possíveis, mas a gratidão e o amor ao próximo dominam. A campanha de ajuda ao Rio Grande do Sul nos mostrou a importância de olhar com mais carinho para nossos irmãos e, sempre que possível, fazer o bem a nosso semelhante. Aqui, no Stella Matutina, a campanha nos fez muito mais unidos: alunos, famílias e colaboradores num mesmo coração.”

Ighor Prado, Colégio Stella Matutina, Juiz de Fora-MG

 

“O sentimento foi de compaixão, orgulho e esperança. Foi perceptível que todos estavam orgulhosos em fazer parte da campanha, e o que levou cada um a doar algo foi a compaixão. A esperança, por sua vez, transborda por ser possível ver que ainda existe muito amor ao próximo por aqui.”

Natália Moura Leonardo, Colégio Espírito Santo, São Paulo-SP

 

“A alegria de estarmos fazendo o que é certo, unido ao carisma missionário, fez surgir sentimentos nobres em todos aqueles que puderam ajudar. O sentimento foi de satisfação e de permanência da ação, não sendo algo pontual e momentâneo, mas dinâmico e ativo na família CICM. A ideia é mostrar que há sofrimento, seja distante de nós ou a pequenos metros. É a grandeza da ação e do resultado desse gesto de amor e cuidado indo ao encontro do outro que nos faz mais humanos.”

Rosa Lúci de Carvalho, Colégio Imaculado Coração de Maria, Rio de Janeiro-RJ

 

“Um sentimento de alegria em perceber e sentir tantos corações solidários com o desejo de poder ajudar e compartilhar aquilo que tem para aqueles que perderam tudo. Fico emocionada por todo empenho de nossa comunidade educativa, levando em frente esta ação solidária com dedicação e responsabilidade.”

Irmã Marli Conceição Dias, Colégio Sant’Ana, Ponta Grossa-PR

 

Marcos Merker

Equipe de Comunicação SSpS Brasil