Este é um texto que vai falar de Natal.

♫♪♫♪
Bato à porta antes de entrar, porque tudo o que for dito em relação a aproximar o Natal de sua essência em nada quer comprometer a fantasia que povoa nosso imaginário. ♫♪♫♪
Buscar a essência, sim.
Perder a magia, jamais!

Já que não tem chaminé! Toc… toc… toc… Posso entrar?

Natal é uma festa de aniversário, do nascimento de Jesus Cristo que veio ser mensagem viva de paz e esperança para a humanidade.

Para muitos, esse sentido cristão da fé segue intacto…

Para outros tantos, nem tanta fé, mas permanece o sentido da celebração, do encontro, da família, da alegria, da partilha, da ceia, da troca de presentes, da magia do Bom Velhinho.

De maneira geral, ainda permanecem valores cristãos que precisam ser ressignificados e revigorados.

Uma pista é não perder no consumismo o sentido desse ritual natalino de partilha.

Junto do presente do Papai Noel, deixe uma mensagem de paz.

Para as pessoas queridas e que estão distantes, façam cartões natalinos em família e enviem sem ser de forma virtual.

Se não puderem fazer cartões, comprem cartões artesanais.

Na árvore de Natal, coloque recadinhos de otimismo para convidados poderem colher na noite de Natal.

Pense em pessoas que, pelas circunstâncias da “vida como ela é”, tenham se afastado por tropeços ou desentendimentos, e convide-as para a ceia.

Se não tiver ceia, faça um bolo especial, uma receita daquelas de família, e faça brindes na simplicidade do cotidiano.

Presenteie e seja presença na vida de crianças e adolescentes que possam não ter tido sucesso escolar e tenham vivido cenas de desavenças.

Seu presente deve ser símbolo de esperança na mudança que sempre vai acontecer onde houver amor e fraternidade.

Valorize e compre direto do artesão.

Se não tiver dinheiro, faça uma seleção de músicas e disponibilize-as em alguma mídia digital.

Não se endivide e não faça do Papai Noel a centralidade do Natal.

Para crianças, ainda são passageiros desse voo mágico num trenó, junto ao presente, deixe um bilhetinho para uma meta solidária para o próximo ano.

Mapeie em sua cidade endereços que privilegiem a comercialização da produção de mulheres e jovens empreendedores.

Presenteie arte.

Presenteie presença.

Se der, celebre sua fé em comunidade.

Enfeite sua casa com produtos reciclados e alternativos.

Reaproveite os enfeites do ano passado.

Crie uma atmosfera especial de luminosidade para acolher, de forma especial, quem vem se juntar a você.

Independentemente de sua confissão religiosa ou até mesmo de ter convicção de fé e espiritualidade, leia uma reflexão qualquer na noite de Natal.

Se for passar a noite de Natal sozinho, por opção ou circunstância, dê a si uma declaração de amor, mesmo que silenciosa.

Faça uma prece pela paz no mundo.

Compre um presente feito à mão e faça um lindo embrulho para você abrir, em sintonia natalina.

Para quem vai se reunir em família e entre amigos, faça dessa oportunidade de celebração um encontro que marque a vida de cada pessoa presente.

Traga a lembrança de entes queridos que já se foram e seguem irmanados nesse momento de celebração natalina.

Não entregue um presente sem uma mensagem escrita à mão e cheia de afeto.

Não exagere nem na comida, nem na bebida, nem nos presentes.

Cumpra as promessas de presentes que talvez possam ter ficado inadequadas a partir desta leitura e capriche na simplicidade essencial no Natal do ano que vem.

Afinal, “não são coisas” o que mais importa nessa vida.

FeLUZ Natal para todos!

Maria José Brant (Deka)
Assistente social, estudante de Antropologia
Analista de Políticas Públicas no Programa Bolsa Família
Mestre em Gestão Social
Mosaicista nas horas vagas