Faça parte de algo grande – Voluntariado no Centro de Integração do Migrante

Fazer algo que possa melhorar o mundo de alguma forma. Esta é a proposta de quem assume o serviço voluntário nas milhares de instituições sem fins lucrativos espalhadas pelo mundo. Você já pensou em fazer parte de uma delas?

O voluntariado conquista pessoas em todos os lugares e é um trabalho em que a gratificação muitas vezes acaba sendo maior pra quem faz, do que pra quem recebe. Interessante, não?

Você pode ajudar desde doando algumas horas de seu tempo para fazer uma visita a alguém ou contar uma simples história, até contribuindo com o seu talento ou com o que você sabe fazer melhor. Oportunidade é o que não falta. Basta escolher algum lugar que tenha uma necessidade, que será muito bem-vindo.

Esse tipo de atividade não requer experiência e nem tampouco habilidade. O único requisito é estar disposto a ajudar. Essa prática garante diversos benefícios e muitos deles podem até ser incorporados ao seu currículo.

 

Sendo um voluntário no Centro de Integração do Migrante

Como muitos sabem, nós, missionárias, possuímos um centro que apoia migrantes de diversos países. Ele fica localizado no Brás, bairro da zona leste de São Paulo famoso pelo comércio de roupas e acessórios provenientes, muitas vezes, de pequenas confecções do local que se utilizam de mão de obra análoga à de escravidão. São nesses locais que vão parar os que chegam ao Brasil em busca de oportunidade ou fugindo de situações de miséria e conflitos. – Saiba mais sobre a situação de migrantes e refugiados neste link.

Neste centro são oferecidas gratuitamente aulas de português, inglês, computação e dança, além de outros serviços.

Perguntamos a estes voluntários o que eles acham sobre este tipo trabalho e as respostas são de grande inspiração para todos(as) nós:

“Trabalho como voluntária no Centro do Migrante desde seu início. Como trabalho há anos com Tecnologia da Informação, decidi contribuir com a formação dos migrantes nesta mesma área.

Foi instalado um laboratório de Tecnologia no Centro do Migrante e criamos um programa de formação tecnológica onde os alunos aprendem as funções do computador, do básico ao avançado. Criamos uma grade curricular que abrange desde o curso de manutenção de computadores ao Excel avançado, passando pelo o uso consciente da Internet, onde ensinamos sobre crime eletrônico e suas punições. É um trabalho gratificante e que muito me orgulha. Acredito que, com esta iniciativa, estamos contribuindo para que os migrantes tenham melhores condições de vida através de um bom trabalho”. – Arlete Muoio

Francisco Pereira à direita, ensinando aluno à esquerda

“Minha experiência no CIM começou em 2015 quando as irmãs ocuparam o espaço na Rua Coimbra. A princípio, ajudei na instalação dos sistemas de alarme, cftv e internet, mas logo veio o convite para participar do grupo de instrutores que estava sendo formado. Definimos então que um curso de manutenção de computadores seria interessante, pois permitiria aos interessados uma formação que poderia abrir as portas para um emprego ou até mesmo uma empresa própria. Nossa primeira turma iniciou com 10 alunos dos quais 6 concluíram o curso. Hoje estamos concluindo a terceira turma com 12 alunos e os mesmos se sentem muitos felizes com os conhecimentos adquiridos. Nestas três turmas tivemos alunos oriundos do Haiti, Angola, Bolívia, Paraguai, Venezuela, Peru e Brasil. A língua, a princípio oferece uma certa dificuldade, mas com o auxílio das apostilas e com uma atenção maior, conseguimos atravessar esta barreira. É muito gratificante observar o esforço de cada um deles para com as aulas. Muitos chegam correndo do trabalho, cansados e às vezes debaixo de chuva. Outros andam um longo percurso para chegar ao centro e participam com toda atenção. Outra satisfação é ter turmas mistas. Na turma que está concluindo, um terço é composto por mulheres. Pra mim foi uma excelente oportunidade para poder dar um pouco e receber tanto destas pessoas tão maravilhosas e com uma vida tão sofrida”. – Francisco Pereira

Ir. Malgarete S. Conte, responsável pelo Centro de Integração do Migrante

Atualmente existem várias frentes de trabalho no nosso Centro de Integração do Migrante. Para fazer parte da sua equipe de voluntários como a Arlete e o Francisco, você deve procurar a Ir. Malgarete, responsável pela casa:

Ligue para 11 2362-0196/ 97058-9130, envie um e-mail para centrodeintegracaodomigrante@ssps.org.br ou vá diretamente ao centro, que fica na Rua Coimbra, 459 – Brás – São Paulo.

Seja bem-vindo!