Pré-noviças falam sobre a JMJ 2019

A Jornada Mundial da Juventude 2019 reuniu, no Panamá, entre 22 e 27 de janeiro, cerca de 200 mil jovens de 159 países. O evento mexeu também com os jovens que não puderam viajar. Assim foi com as pré-noviças da Congregação das Missionárias Servas do Espírito Santo (SSpS), que acompanharam a programação pelas redes sociais e pela televisão.

Crislaine e Sabrina

No fim de janeiro, as pré-noviças voltaram das férias passadas com a família. Agora vão para a próxima etapa da formação, que será no Paraguai. Duas entram para o noviciado e três para o segundo ano do pré-noviciado, junto com jovens de outros países do continente pan-americano.

Para Sabrina Souza da Cruz, 21 anos e pré-noviça do primeiro ano, o que mais a impressionou na Jornada Mundial da Juventude, além da quantidade de jovens participando, foi a missa de abertura e o discurso do Papa Francisco sobre Maria. Ela disse que se alegrou ao ver “o apoio que a Igreja está sempre dando aos jovens”.

Ansiosa pelo que vem pela frente, Sabrina disse que “ir a outro país, conhecer outras culturas, outros povos, outras línguas exige uma entrega maior e traz mais desafios”. Para ela, Maria, a mãe de Jesus, é uma inspiração, especialmente pelo seu sim e confiança em Deus.

Crislaine Mayra Lopes Pereira, 25 anos, já foi para o Paraguai e, no dia 10 de fevereiro, inicia o noviciado. Ela também acompanhou a Jornada Mundial da Juventude e destacou a missa de abertura e a via-sacra como os momentos mais significativos.

O tema da jornada deste ano, “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38), e as palavras do Papa Francisco sobre Maria foram muito tocantes, segundo Crislaine. Recordando as palavras do Papa que chamou Maria de “influencer” de Deus, porque, mesmo em sua pequenez, ela influenciou a história do mundo, Crislaine se pergunta: “E eu, como vocacionada, como jovem, como posso ser uma influência de Deus na vida dos outros jovens e também das irmãs?”. Para Crislaine, a Jornada Mundial da Juventude é importante para os jovens do Brasil e do mundo por “mostrar que a Igreja está do lado do jovem”.

Destaques da JMJ no Panamá

Apresentamos aqui alguns momentos de destaque da JMJ, de acordo com as declarações do próprio Papa Francisco, logo depois que retornou do Panamá a Roma.

Jovens indígenas: a JMJ foi precedida pelo I Encontro Mundial da Juventude Indígena, cinco dias antes. Segundo o Papa Francisco, foi “um belo gesto”, “uma iniciativa importante que manifestou ainda melhor o rosto multiforme da Igreja na América Latina”, que “é mestiça”.

Chegada dos jovens de todo o mundo: “Ver todas as bandeiras desfilarem juntas, dançando nas mãos dos jovens alegres de se encontrar é um sinal profético, um sinal contracorrente em relação à triste tendência atual aos nacionalismos conflitantes, que levantam muros e se fecham para a universalidade, para o encontro com os povos”.

Presença de Maria na vida dos jovens: “Foi forte ouvir as palavras proferidas pelos representantes dos jovens dos cinco continentes e, sobretudo, vê-las transparecer em seus rostos. Enquanto houver novas gerações capazes de dizer ‘eis-me aqui’ a Deus, haverá um futuro para o mundo”.

Celebração da Via-Sacra: “Caminhar com Maria atrás de Jesus que leva a cruz é a escola da vida cristã: ali se aprende o amor paciente, silencioso e concreto”.

Vigília do sábado à noite: “Na vigília, renovou-se o diálogo vivo com todos os jovens, entusiastas e também capazes de silêncio e escuta”. “Passavam do entusiasmo à escuta e à oração em silêncio.”

Missa de encerramento: “Cristo Ressuscitado, com a força do Espírito Santo, falou novamente aos jovens do mundo, chamando-os a viver o Evangelho no ‘hoje’, porque os jovens não são o ‘amanhã’, são ‘o hoje para o amanhã’, não são o ‘entretanto’, mas o hoje, o agora da Igreja e do mundo”.

Próxima JMJ

Logo das últimas Jornadas Mundiais da Juventude que são realizadas a cada três anos

A Jornada Mundial da Juventude ocorre a cada três anos. Em 2013, esta se realizou em nosso país, no Rio de Janeiro; em 2016, foi em Cracóvia, na Polônia; neste ano, na cidade do Panamá, capital do Panamá; e a próxima, em 2022, será em Portugal, na cidade de Lisboa.