Sobre “agradeSER”

Por toda flor que brotou em meu caminho

Por todas as vezes em que eu nunca me senti só

Pelas vezes em que tropecei e não caí… Pelas vezes em que caí e me levantei

Pelo abraço inesperado e gargalhadas sem fim

Pela luz que ilumina cantos obscuros e pelo Sol que nasce iluminando a solidão

Pelo rio que corre para o mar e por toda estrela que se apaga

Por todas as vezes em que o ciclo da Lua se completa

Pelas voltas que o mundo dá

Pelas brincadeiras que aprendi

Por todo acorde de música que fez meu coração pulsar lentamente

Pela saúde que permite meu corpo se recuperar da exaustão

Pelo dom de Deus que se expressa em sinfonias, soluções tecnológicas e descobertas científicas

Por toda vez que soubemos economizar, num gesto de humildade dos que têm muito mais do que precisam

Pelas mãos que ajudam a levantar

Pelo amor que não se cansa de enfrentar tanta violência

Pela coragem de me calar diante do que não é essencial e de gritar sempre que a vida se encontra ameaçada

Pela esperança que me leva para dormir e acorda comigo

Pela capacidade de sonhar e pelos sonhos realizados

Pelo milagre da vida

Por ter vivido amores desfeitos

Por viver amores feito infinito

Por toda criança que nasce e vence a batalha que é (re)nascer o tempo todo

Por todo fio de cabelo branco que vira memória e sabedoria

Pelo vivido…

Por ser e viver, gratidão!

Maria José Brant (Deka), assistente social, analista de políticas públicas na Prefeitura de Belo Horizonte-MG, mestra em Gestão Social, mosaicista nas horas vagas.