Solidariedade, gesto do bem

Você é solidário? O que não falta é oportunidade para sê-lo. Todos os dias e em todos os lugares, há várias situações para o exercício da solidariedade. Durante o inverno, durante o verão, na vizinhança, com algum parente próximo, com crianças, jovens e idosos, enfim, é uma ação que faz bem a toda pessoa que a pratica e a recebe. Mas o que é solidariedade?

A palavra “solidariedade” vem do francês “solidarité”, que significa identificar-se com o sofrimento do outro, buscando, mediante gestos concretos, amenizar ou solucionar a situação de dificuldade. A solidariedade pode ser com pessoas, mas também com o meio ambiente e os animais.

Desde que o mundo é mundo, a humanidade tem demonstrado ação solidária. Nos textos bíblicos, percebemos personagens que passam necessidades e são socorridos. Alguns exemplos são a “multiplicação dos pães” (Marcos 6,30-44) e o modo de ser dos apóstolos e dos primeiros cristãos (Atos dos Apóstolos 2,42-46). A compaixão é a base da solidariedade.

Filosoficamente, segundo o Prof. Emmanoel de Almeida, a solidariedade é um movimento existente entre os humanos que vai além da sobrevivência, pois supera suas necessidades para “salvar” a vida de outro indivíduo em situação de risco, implica a ética que visa ao bem comum, conforme Aristóteles. A psicóloga Dayse Ayres afirma que o primeiro passo para a solidariedade é a empatia, ou seja, colocar-se no lugar do outro. É um movimento interno que se dá por um impulso psicológico ou emocional por tentar ajudar a amenizar a dor do outro.

Podemos resumir, portanto, que solidariedade é um gesto do bem, de amizade social, em que a compaixão, a empatia, a preocupação com o bem comum são fundamentais para a vida.

Então, como ser solidário? Há várias maneiras. Ultimamente, com as chuvas, muita gente está perdendo tudo com deslizamentos, com enchentes. É preciso doar água, alimentos, medicamentos na validade, móveis, roupas de banho, cama, mesa, pessoais para crianças, jovens, adultos, idosos. Além disso, há creches em comunidades carentes administradas por ações sociais que necessitam de doações, como de cestas básicas para as famílias. Também existem pessoas em situação de vulnerabilidade morando nas ruas. Recordo também os hospitais filantrópicos, como o Hospital do Amor, que sobrevive de bazar e ações entre amigos. Cuidar de animais, de jardins abandonados… Esses são alguns exemplos.

O trabalho voluntário é uma forma de ação solidária. Em cada canto da comunidade, de sua cidade, do Brasil e do mundo, há uma oportunidade: com os refugiados, pessoas idosas que moram sozinhas, nos cárceres, nos hospitais. Ser solidário, enfim, é ser uma pessoa pronta a ajudar onde precisa, é estar atenta às necessidades alheias; é praticar, fazer um gesto do bem.

Neste ano de 2024, procure ser uma pessoa solidária. Fazer o bem traz benefício para quem o pratica e, principalmente, para quem o recebe.

Maria Terezinha Corrêa

Mestranda em Filosofia, antropóloga, especialista em Ensino de Filosofia, graduada em Filosofia e Pedagogia, filiada à ABA, APEOESP, SBPC, Sintram, Aproffib, agente da Pastoral da Pessoa Idosa e professora de Filosofia na rede pública da Prefeitura de São José-SC.